Venezuela ameaça o Brasil: Foi golpe repete Maduro


Diosdado Cabello, segundo homem da política da Venezuela, acusado pelos EUA de ser um mega traficante internacional, vem influenciando o presidente Maduro à romper relações com o Brasil.


Encontro secreto com Lula

Cabello foi recebido “secretamente” por Dilma e o ex-presidente Lula em 2015 , tendo como foco principal da conversa, seu apoio contra o processo de impedimento de Dilma Rousseff.

Medida de protesto

Mês passado, Nicolas Maduro chamou de volta a Venezuela, seu embaixador no Brasil, segundo ele mesmo, como medida de protesto contra o “golpe”, que afastou a presidente Dilma do seu mandato.

“Pedi ao nosso embaixador no Brasil, Alberto Castellar, que viesse a Caracas”, informou o chavista.

“Estivemos avaliando esta dolorosa página da história do Brasil. Tentaram apagar a história com uma jogada totalmente injusta com uma mulher que é a primeira presidente que o Brasil teve.”

Maduro não deixou claro se pretende romper laços diplomáticos definitivamente com o Brasil.

É golpe, repete Maduro

Em um pronunciamento em radio e televisão, em mais  discurso delirante em rede nacional, Maduro, como um papagaio, reproduziu a “ladainha petista” e classificando o processo de impeachment no Brasil como “golpe de Estado”.

A Venezuela, alinhada com o discurso petista, foi um dos “países bolivarianos” que se posicionaram contra o impeachment, contestando o processo legal que afastou Dilma do governo.

Assim como Cuba, Bolívia, Equador e Nicarágua, que também prestam apoio, aderindo à retórica petista do “golpe”.

Nota do Itamaraty

Em resposta, o Itamaraty, na pessoas do novo ministro das Relações Exteriores, José Serra, divulgou uma nota com duras criticas aos governos destes países, acusando-os de propagarem “falsidades sobre o processo político interno no Brasil”.

E termina declarando: “Esse processo se desenvolve em quadro de absoluto respeito às instituições democráticas e à Constituição Federal. Como qualquer observador isento pode constatar, o processo de impedimento é previsão constitucional”, destacou o ministro.

Diplomacia bolivariana

Resta-nos avaliar se fará falta a “diplomacia bolivariana” oferecida pela Venezuela ao Brasil, um pais onde o povo passa fome, por incompetência de um governo corrupto e sem crédito, que não se faz de arrogado para tirar do caminho quem à ele se opõe.

 

Você pode gostar também